quarta-feira, 6 de maio de 2009

ZÉ KÉTI


"Eu sou o samba, A VOZ DO MORRO sou eu mesmo sim senhor..." Esses versos são de um clássico maior do samba. A expressão "A Voz do Morro" tem muito mais história do que geralmente se imagina. Primeiro foi um programa de Rádio em que trabalharam juntos Cartola e Paulo da Portela, que logo em seguida com Heitor dos Prazeres formariam o Trio Conjunto Carioca, tempos depois Zé Kéti compôs a música eternamente relacionada a famosa expressão ( foi feita um pouquinho antes do filme precursor do cinema novo RIO QUARENTA GRAUS de Nelson Pereira dos Santos e usada como trilha) . Logo em seguida apareceram dois conjuntos com nome A VOZ DO MORRO, um que contava com Cartola, Nelson Cavaquinho e o próprio Zé Kéti e que não durou muito. Depois Zé Kéti, Elton Medeiros, Jair do Cavaquinho ( que também fizeram parte da primeira formação), Paulinho da Viola, Anescarzinho do Salgueiro, Jozé da Cruz e mais tarde Nelson Sargento formariam o Conjunto A VOZ DO MORRO definitivo que chegou a gravar dois disco pela Musidisc de Nilo Sérgio produzidos por Luís Bittencourt e um outro pela RGE. Isso tudo era pra mostrar a força dessa expressão (que ainda sofreria um embate com o A VOZ DO MORTO de Caetano) eternizada pelo primeiro artista a diversificar seus ramos de atuação dentro do cenário cultural de sua época. Sempre tivemos sambistas pintores que se aventuravam em suas telas figurativas, primitivistas ou simples paisagens, mas nenhum conseguiu repercutir em outros meios, que não a música, sua arte como Zé Kéti. Seja no cinema, teatro, disco ou televisão Zé Ketinho, como era chamado antes de virar Zé Kéti, se mostrou um craque que fazia músicas românticas, de protesto, filosóficas ou simplesmente exaltando o samba. Quem o conheceu diz que foi um batalhador ferrenho de suas causas, quase todas relacionadas ao samba e amigo fidelíssimo, foi de tudo nessa vida, peixeiro, feirante, soldado, contra regra, ator, assistente, artista e sambista o verdadeiro malandro.
Sua querida Portela, ali ele encontrava o samba em estado latente, vivia entre os bambas da Velha Guarda azul e branco, ensinando e aprendendo; Monarco ainda era garoto mas o samba os uniam a todos de tal forma que parecia não haver desacordo entre suas idéias e sim fôlego novo ao samba que rejuvenescia e renovado servia de elixir para todos que sabiam apreciar sua beleza. Ele tinha uma ligação forte com São Paulo principalmete pela amizade com outro grande bamba Germano Mathias e de tanto ir visita-lo acabou morando em Sampa de 1970 a 1980 ajudando também o samba paulistano a se tornar essa força que é hoje. Uma curiosidade sobre ele era a mania de comer camarão, mesmo estando em Sampa ele sempre tinha camarão em casa, fazia uns guisados e quitutes que ele mesmo inventava e convidava todos pra comer suas delícias, ninguém reprovava, sempre cabia mais um repeteco. Sentia com a simples formalidade de não ser reconhecido como autor de talvez sua música preferida e mais famosa MÁSCARA NEGRA, mas no fundo todo mundo sabia que a música era sua. Parceiro de Nara Leão e João do Vale no show/peça OPINIÃO que foi um ponto de inflexão dentro do processo de resistência à ditadura militar no país, deixando os generais de barbas ao molho (OPINIÃO de Vianinha no Rio e o ARENA, do recém falecido, Augusto Boal e Guarniere em Sampa, todos eles artistas de coragem pra enfrentar os anos de chumbo). Zé Kéti é isso mesmo moçada: paz e simplicidade de um grande artista que nos deu muito sem pedir nada ou quase nada a seu favor. Tenho especial carinho por ele, pois foi o primeiro disco de samba que comprei na minha vida (antes só curtia rock) em 1998, que guardo e escuto até hoje mesmo depois de tanto samba já reverenciado. Obrigado por acender as velas do samba dentro de mim e de tantos outros, mestre Zé Kéti, uma chama que nunca se apagará, prometo.

7 comentários:

  1. Da hora, o blog, véi!

    Falta só um link pro meu pra ficar perfeito...

    Abraço e ziriguidum pcê!

    ResponderExcluir
  2. Obrigada vc Nilo, pelo reconhecimento!
    Fique de olho no Blog, estaremos atualizando sempre!
    O teu blog tbm é muito interessante, gostei demais!
    Vamos intercambiarr!!!!!!! =D

    Abraço forte!

    ResponderExcluir
  3. bloguers brothers, da hora nilão!

    ResponderExcluir
  4. Bacana sua preocupação com as raízes do samba. Avante, Rapaz e viva a cultura revolucionéria que vem dos morros. também colaboro num blog se quiser retribuir a visita o endereço é lenitivocultural.blogspot.com

    Até, Cícero

    ResponderExcluir
  5. Grande Zé Keti, um gênio de nossa música. Certamente assina alguns dos mais belos sambas brasileiros, como "Acender as Velas", um samba de uma sensibilidade incrivel, que me toca profundamente sempre que o ouço.

    Grande abraço Nilão! Salve Zé Keti!

    ResponderExcluir
  6. e tem akela marcha rancho,..
    "máscara negra"
    ...""qnto riso, óhh, qnta alegria..há mais de mil palhaços no salão..."""

    quem quiser curtir esse som, pode conferir no cortejo do Bloco SinhÔ Mascarado!

    Salve Zé Ketti! Salve nois!!
    <]=D

    ResponderExcluir
  7. Muito bom seu blogue. Muita coisa sobre samba. Gostei disso.
    Inté.

    ResponderExcluir